O que é maturidade espiritual?

1. Maturidade espiritual é quando você para de tentar mudar os outros e se concentra em mudar a si mesmo.
2. Maturidade espiritual é quando você aceita as pessoas como elas são.

3. Maturidade espiritual é quando você entende que todos estão certos em sua própria perspectiva.

4. Maturidade espiritual é quando você aprende a “deixar ir”.

5. Maturidade espiritual é quando você é capaz de não ter “expectativas” em um relacionamento, e se doa pelo bem de se doar.

6. Maturidade espiritual é quando você entende que o que você faz, você faz para a sua própria paz.

7. Maturidade espiritual é quando você para de provar para o mundo o quão inteligente você é.

8. Maturidade espiritual é quando você não busca aprovação dos outros.

9. Maturidade espiritual é quando você para de se comparar com os outros.

10. Maturidade espiritual é quando você está em paz consigo mesmo.

11. Maturidade espiritual é quando você é capaz de distinguir entre ” precisar ” e “querer” e é capaz de deixar ir o seu querer.

E por último, mas mais significativo!

12. Você ganha maturidade espiritual quando você para de anexar “felicidade” em coisas materiais!

Anúncios

Busca espiritual

Esta história de buscar a luz já me encheu o saco. Sabe? Realmente a questão é parar de “encher o saco” da identidade com belas informações ditas espirituais, com verdades “emprestadas”, com a falsidade de estados “artificialmente” estruturados, com um excesso de estímulos vindos de fora e que reforçam ainda mais as roupagens do ego espiritual, engordando a falsa identidade, um eu separado, carente, rígido, precisando fazer e forçosamente fazer, para assim chegar em algum lugar e então “ser” alguma coisa, criando mais angústia interna, mais sofrimento. Oh eu idealizado, tem misericórdia de nossos esforços sinceros!

Bem, observe que é preciso ESVAZIAR. E descascar, e depois soltar, deixar o controle, aniquilar as metas, abraçar o simples, re-significar a existência dentro de uma presença lúcida, calma e amorosa. Nada de mais na verdade, não espere por efeitos especiais. Você se colocar nu e desprovido de artifícios. Bem simples, bem comum, pequenininho, vulnerável, aberto, como isto: “eu não quero nada, eu não sei nada, eu não sou nada” e que aconteça o que for pra ser, que se saiba o que tiver de ser sabido e que seja o que tiver de ser”. Quem vive aqui? Que identidade que se sustenta? Por isso é desafiador dar este passo, é muito assustador largar as bagagens e tocar o corpo do vazio.
Chega de currículos espirituais, chega de esforços e artifícios para chegar em algum lugar e ser alguma coisa que, aqui e agora, nesta dimensão simples e natural, relaxada, já não somos. 

Correria, desejo, necessidade, ambição, competição, acúmulo, expectativas, controle? E você ainda acha que está realizando o SER? O ser que é o fundamento de tudo? O Ser que é a essência da Vida, o Ser que é a tua única sanidade, a natureza do teu coração? 

Ah materialismo espiritual, está certo que passamos por você antes de compreender que a via é outra, por isso é preciso ver e rever, a cada experiência, “quem está” querendo LUZ-plenitude. A luz é nossa realidade, é o comum, o que todos somos, é preciso observar se tem um “eu” querendo brilhar dentro da “luz” nos holofotes do mundo. Chega ser engraçado como o ego se apropria da espiritualidade para ter segurança e controle sobre a matéria. Mas isso é apenas mais uma distração, uma brincadeira de cegos. 

Quem já não sabe que o caminho espiritual requer esvaziamento? E tem sabor de nada. Tem o perfume do não-saber. Tem a completa re-significação da existência. E entrega, mais entrega, toda entrega, porque “você”, assim como está, tão confortável e bonito dentro de uma capa de “belas reflexões e uma postura nova era”, não existe no profundo da essência da vida, e esta inexistência, a liberdade, é a própria existência do SER em ti, sempre, sempre, toda presença!

Todos nascemos para a realização do Ser. Ou nascemos pra quê? Dormir, trabalhar, comer e se distrair? Nascemos para a dor e o descaso com o sentido da vida? É preciso ver as nossas crenças em relação a isso, as raízes de qualquer ser humano estão mergulhadas no divino. Não tem esforço nisso, mas relaxamento. Dormir, trabalhar e comer são fundamentais para a existência corpórea, mas “quem” come, trabalha e dorme? Isso não está distante do SER, é o campo de vida do Ser, e não é um problema! E que dualidade é esta entre vida material e vida espiritual? Até parece que o Ser se esconde e não habita os átomos do mundo! O Ser está tão perto, ele é tão íntimo de cada uma das nossas células, pensamentos, sonhos e coração. Íntimo a ponto de ser o vivente e a vida, tu mesmo, o criador e a criatura, na completa unidade entre matéria e espírito. 

Não há para onde fugir, não existe esconderijo em nenhum mundo onde você possa se ausentar do Ser, ele está INEVITAVELMENTE sempre presente. E agora? O que fazer? Se abre um horizonte de vazio, nada a fazer, nada a realizar, nada a alcançar, simples, calma, espontaneamente, SER. 

E o SER contêm amor, e todos os primores do coração da Vida. ❤

Palavras sinceras de um coração, de um lugar de muita luz. Sensibilidade que transborda…. ❤ 

by Vanessa Shakti