Paraíso ou Inferno

Um homem santo teve um dia para conversar com Deus e lhe disse:

“Senhor, eu gostaria de saber como são o Céu e o Inferno”

Deus então levou o homem santo a duas portas.

Ele abriu uma e o deixou olhar para dentro.

Havia uma grande mesa redonda.

No centro da mesa havia um enorme recipiente contendo comida deliciosamente temperada e perfumada.

O homem santo ficou com água na boca.

As pessoas sentadas ao redor da mesa, eram magras, pálidas e doentes.

Todos pareciam com fome.

Eles tinham colheres com cabos longos, presas ao braço.

Todos alcançavam o prato de comida e podiam pegar um pouco, mas como o cabo da colher era mais comprido que o braço, não podiam levar a comida até a boca.

O homem santo tremeu ao ver a miséria e o sofrimento deles.

Deus disse: “Você acabou de ver o inferno”.

Deus e o homem se dirigiram em direção à segunda porta.

Deus a abriu.

A cena que o homem viu era idêntica à anterior.

Havia a grande mesa redonda e o recipiente que fez dar água na boca.

As pessoas ao redor da mesa também tinham colheres com cabos longos.

Desta vez, no entanto, eles estavam bem alimentados, felizes e conversando uns com os outros, sorrindo.

O homem santo disse a Deus: “Eu não entendo!”

É simples, respondeu Deus, eles aprenderam que o cabo da colher não permite que você se alimente … mas permite que você alimente seu vizinho.

Então eles aprenderam a alimentar uns aos outros!

Aqueles na outra mesa, por outro lado, só pensam em si mesmos …

Inferno e Paraíso são os mesmos em estrutura …

Nós trazemos a diferença dentro de nós !!!

Na terra há o suficiente para satisfazer as necessidades de todos, mas só teremos para nós se soubermos dar ao próximo.

Deus

:: Hafis ::, poeta sufi
 
Aprendi tanto com Deus
Que não posso mais chamar-me
Cristão, Hindu, Muçulmano, Budista ou Judeu.
A Verdade partilhou tanto comigo sobre Ela mesma
Que não posso mais chamar-me
Homem, mulher, anjo ou mesmo alma pura.
O Amor uniu-se a mim tão completamente
Que reduziu a cinzas e libertou-me
De todos os conceitos e imagens
Que a minha mente alguma vez conheceu.

“Quem gera o bem gera uma ninhada que voleia alegre, e quem semeia o mal planta uma árvore cujos espinhos são a inveja e o arrependimento, seu fruto. Que Deus tenha pena de quem omite os erros e se satisfaz com a aparência.”

Livro Tempo de Migrar para o Norte, de Tayeb Salih – pg 149 – Editora Planeta

Loja dos dons de Deus

Um rapaz entrou numa Loja e viu u m senhor no balcão.

Maravilhado com a beleza do lugar, perguntou:

– Senhor, o que se vende aqui?

– Os dons de Deus.  Respondeu-lhe o senhor.

– Quanto custam? – voltou a perguntar.

– Não custam nada. Aqui tudo é de graça!

O rapaz contemplou a Loja e viu que haviam jarros de amor, vidros de fé, pacotes de esperança, caixinhas da salvação, muita sabedoria, fardos de perdão, pacotes grandes de paz e muitos outros dons.

O rapaz, maravilhado com tudo aquilo, pediu:

– Por favor, quero o maior jarro de amor, todos os fardos de perdão e um vidro grande de fé, para mim,  meus amigos e família.

Então o senhor preparou tudo e entregou-lhe um pequeno embrulho que cabia na palma da sua mão.

INCRÉDULO, o rapaz disse:

– Mas como pode estar aqui tudo o que pedi?

Sorrindo, o gentil senhor lhe respondeu:

– Meu respeitável Irmão, na Loja de Deus não vendemos frutos! Só Sementes! Plante-as !

 

Deus Falando com você

Estas palavras são de Baruch Spinoza, filósofo holandês que viveu em pleno sèc. XVII. Este texto foi chamado de “Deus segundo Spinoza”.
“Para de ficar rezando e batendo no peito. O que eu quero que faças é que saias pelo mundo, desfrutes de tua vida. Eu quero que gozes, cantes, te divirtas e que desfrutes de tudo o que Eu fiz para ti.

Para de ir a estes templos lúgubres, obscuros e frios que tu mesmo construíste e que acreditas ser a minha casa. Minha casa está nas montanhas, nos bosques, nos rios, nas praias. Aí é onde eu vivo e expresso o meu amor por ti.

Para de me culpar pela tua vida miserável; eu nunca te disse que eras um pecador.

Para de ficar lendo supostas escrituras sagradas que nada têm a ver comigo. Se não podes me ler num amanhecer, numa paisagem, no olhar dos teus amigos, nos olhos de teu filhinho… não me encontrarás em nenhum livro…

Para de tanto ter medo de mim. Eu não te julgo, nem te critico, nem me irrito, nem me incomodo, nem te castigo. Eu sou puro amor.

Para de me pedir perdão. Não há nada a perdoar. Se Eu te fiz… Eu te enchi de paixões, de limitações, de prazeres, de sentimentos, de necessidades, de incoerências, de livre-arbítrio. Como posso te castigar por seres como és, se sou Eu quem te fez?

Crês que eu poderia criar um lugar para queimar a todos os meus filhos que não se comportam bem pelo resto da eternidade? Que tipo de Deus pode fazer isso?

Esquece qualquer tipo de mandamento, são artimanhas para te manipular, para te controlar, que só geram culpa em ti. Respeita o teu próximo e não faças aos outros o que não queiras para ti. A única coisa que te peço é que prestes atenção à tua vida; que teu estado de alerta seja o teu guia. Tu és absolutamente livre para fazer da tua vida um céu ou um inferno.

Para de crer em mim . . . crer é supor, imaginar. Eu não quero que acredites em mim. Quero que me sintas em ti quando beijas tua amada, quando agasalhas tua filhinha, quando acaricias teu cachorro, quando tomas banho de mar.

Para de louvar-me! Que tipo de Deus ególatra tu acreditas que Eu seja? Tu te sentes grato? Demonstra-o cuidando de ti, da tua saúde, das tuas relações, do mundo. Expressa tua alegria! Esse é o jeito de me louvar.

Para de complicar as coisas e de repetir como papagaio o que te ensinaram sobre mim. Não me procures fora! Não me acharás.

Procura-me dentro… aí é que estou, dentro de ti.”

O homem planeja e Deus ri

“I want to know all Gods thoughts; all the rest are just details.”