Viver

:: Mário Quintana ::

Depois de muitas quedas, eu descobri que, às vezes, quando tudo dá errado, acontecem coisas tão maravilhosas que jamais teriam acontecido se tudo tivesse dado certo. 
Eu percebi que quando me amei de verdade pude compreender que, em qualquer circunstância, eu estava no lugar certo, na hora certa. 

Então pude relaxar… pude perceber que o sofrimento emocional é um sinal de que estou indo contra a minha verdade. 

Parei de desejar que a minha vida fosse diferente e comecei a ver que tudo o que acontece contribui para o meu crescimento. 

Desisti de querer ter sempre razão e com isso errei muito menos vezes. 

Desisti de ficar revivendo o passado e de me preocupar com o futuro. Isso me mantém no presente, que é onde a vida acontece. 

Descobri que na vida a gente tem mais é que se jogar, porque os tombos são inevitáveis. 

Percebi que a minha mente pode me atormentar e me decepcionar. Mas quando eu a coloco a serviço do meu coração, ela se torna uma grande e valiosa aliada. Também percebi que sem amor, sem carinho e sem verdadeiros amigos a vida é vazia e se torna amarga.

Ser feliz é reconhecer que vale a pena viver, apesar de todos os desafios, incompreensões e períodos de crise. É agradecer a cada manhã pela vida. 

Pedras no caminho? Guardo todas, um dia vou construir um castelo…..

Sempre há tempo para um café

Um professor, diante de sua classe de filosofia, sem dizer uma só palavra, pegou um pote de vidro, grande e vazio, e começou  a enchê-lo com bolas de golf.Em seguida, perguntou aos seus alunos se o frasco estava cheio e imediatamente todos disseram que sim.

O professor então pegou uma caixa de bolas de gude e esvaziou-a dentro do pote. As bolas de gude encheram o vazio entre as bolas de golfe.

O professor voltou a perguntar se o frasco estava cheio e voltou a ouvir de seus alunos que sim.

Em seguida, pegou uma caixa de areia e esvaziou-a dentro do pote. A areia preencheu os espaços vazios que ainda restavam e ele perguntou novamente aos alunos, que responderam que o pote agora estava cheio.

O professor pegou um copo de café (líquido) e o derramou sobre o pote umedecendo a areia. Os estudantes riam da situação, quando o professor falou:

“Quero que entendam que o pote de vidro representa nossas vidas.

As bolas de golf são os elementos mais importantes, como sua fé, a família e os amigos. São com as quais nossas vidas estariam cheias e repletas de felicidade.

As bolas de gude são as outras coisas que importam: o trabalho, a casa bonita, o carro novo, etc.

A areia representa todos as pequenas coisas. Mas se tivéssemos colocado a areia em primeiro lugar no frasco, não haveria espaço para as bolas de golf e para as de gude.

O mesmo ocorre em nossas vidas. Se gastamos todo nosso tempo e energia com as pequenas coisas nunca teremos lugar para as coisas realmente importantes.

Prestem atenção nas coisas que são primordiais para a sua felicidade.

Brinquem com seus filhos, saiam para se divertir com a família e com os amigos, dediquem um pouco de tempo a vocês mesmos, busquem a Deus e creiam nele, busquem o conhecimento, estudem, pratiquem seu esporte favorito…

Sempre haverá tempo para as outras coisas, mas ocupem-se das bolas de golf em primeiro lugar.

O resto é apenas areia.”

Um aluno se levantou e perguntou o que representava o café. O professor respondeu:

“Que bom que me fizestes esta pergunta, pois o café serve apenas para demonstrar que não importa quão ocupada esteja nossa vida, sempre haverá lugar para tomar um café com um amigo.”

“Você precisa ser sempre você mesmo sem precisar ser sempre o mesmo”

“Quando você é espaço diante do outro, você funciona como uma sala bem ampla: quando alguém entra gritando, aquilo ecoa, a pessoa se ouve, ela mesma começa a falar baixo. O outro precisa se ouvir.”

Julgamentos

​​

O que é maturidade espiritual?

1. Maturidade espiritual é quando você para de tentar mudar os outros e se concentra em mudar a si mesmo.
2. Maturidade espiritual é quando você aceita as pessoas como elas são.

3. Maturidade espiritual é quando você entende que todos estão certos em sua própria perspectiva.

4. Maturidade espiritual é quando você aprende a “deixar ir”.

5. Maturidade espiritual é quando você é capaz de não ter “expectativas” em um relacionamento, e se doa pelo bem de se doar.

6. Maturidade espiritual é quando você entende que o que você faz, você faz para a sua própria paz.

7. Maturidade espiritual é quando você para de provar para o mundo o quão inteligente você é.

8. Maturidade espiritual é quando você não busca aprovação dos outros.

9. Maturidade espiritual é quando você para de se comparar com os outros.

10. Maturidade espiritual é quando você está em paz consigo mesmo.

11. Maturidade espiritual é quando você é capaz de distinguir entre ” precisar ” e “querer” e é capaz de deixar ir o seu querer.

E por último, mas mais significativo!

12. Você ganha maturidade espiritual quando você para de anexar “felicidade” em coisas materiais!

Te desejo o suficiente

Em um aeroporto ouvi uma mãe e uma filha nos seus últimos momentos juntos. Anunciaram a partida do avião da filha e, perto da entrada, a mãe disse: “Te amo, desejo a você o suficiente”. A filha disse: “Mãe, nossa vida juntos tem sido mais do que suficiente. Seu amor é tudo que eu sempre precisei. Te desejo o suficiente também”. Elas deram um beijo de adeus e ela se foi.

A mãe andou em direção à janela onde eu estava sentado. Eu podia ver que ela queria e precisava chorar. Tentei não invadir sua privacidade, mas ela me cumprimentou perguntando: “Você já disse adeus a alguém sabendo que seria pra sempre?”.

“Sim, já disse”, respondi. E ao dizer isso me vieram lembranças de quando expressei meu amor e admiração por tudo que minha mãe tinha feito por mim. Ao reconhecer que os dias dela estavam no final, reservei um tempo para dizer-lhe pessoalmente o quanto ela significava pra mim.

Então eu sabia o que esta mulher estava passando. “Desculpe por perguntar, mas porque esse é um adeus para sempre”, perguntei. “Estou velha e ela vive muito longe. Tenho desafios à frente, e a realidade é que a próxima viagem dela de volta será para o meu funeral”, ela disse.

“Quando vocês estavam se despedindo eu ouvi você dizer, ‘Te desejo o suficiente’. Posso perguntar o que isso significa?”. Ela começou a rir. “É um desejo que tem sido passando por gerações. Meus pais diziam pra todo mundo”.

Ela parou por um momento como se tivesse tentando lembrar de algo, então sorriu de novo: “Quando dizemos ‘te desejo o suficiente’, estamos querendo que a outra pessoa tenha uma vida cheia de coisas que a sustente”, ela continuou, e então se virou pra mim e disse o seguinte, como se estivesse recitando da memória:

Lhe desejo suficiente sol para manter sua atitude iluminada. 
Lhe desejo suficiente chuva para apreciar o sol ainda mais.
 Lhe desejo suficiente felicidade para manter seu espírito vivo. Lhe desejo suficiente dor para que as menores alegrias da vida pareçam muito maiores.
 Lhe desejo suficiente prosperidade para satisfazer suas vontades. 
Lhe desejo suficiente perda para apreciar tudo que você possui.
 Lhe desejo suficiente ‘olá’ até que chegue ao seu final  ‘adeus‘”

Dizem que leva um minuto para encontrar uma pessoa especial, uma hora para apreciá-la, um dia para amá-la, mas uma vida inteira para esquecê-la.


A história é contada pelo escritor e coach americano Bob Perks (http://www.bobperks.com). Intitulada “Lhe desejo o suficiente – A História” (I Wish You Enough – The Story), é o diálogo de despedida entre uma mãe (ou um pai em algumas versões) e sua filha num aeroporto e traz uma perspectiva de vida realista, agradecida e inspiradora, que está contida na tradição de dizer ao outro simplesmente “lhe desejo o suficiente”.

Dentro desses dizeres está uma leve compreensão da impermanência das coisas (também presente na própria despedida), da interdependência e dos dualismos da vida — de sol e chuva, de ganhos e perdas, de olás e adeuses.

O post foi traduzido do inglês por um blog.

Previous Older Entries