Poema Vitoriano

“Dentro da noite que me rodeia
Negra como um poço de lado a lado
Eu agradeço aos Deuses que existem
por minha alma indomável
Nas garras cruéis da cirscunstância,
Eu não tremo, ou me desespero
Sob os duros golpes da sorte
Minha cabeça sangra, mas não se curva
Além deste lugar de raiva e choro
Paira somente o horror da sombra
E ainda assim, a ameaça do tempo vai me encontrar
e deve me achar, destemido,
não importa se o portão é estreito
não importa o tamanho do castigo
eu sou o dono do meu destino
eu sou o capitão de minha alma”

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: